O dilema do vestido


Eu sempre fui uma das pessoas mais inseguras que conheço. Do tipo que muda de humor automaticamente se acho que alguém está falando coisas ruins sobre mim, se desafino em público. Se sou repreendida, não consigo mais me concentrar em tentar fazer a coisa certa; se erro uma receita de bolo, logo me acho a pessoa mais incompetente do universo culinário.

É, eu não tenho muita fé em mim mesma. Eu, que me conheço melhor que todo mundo, permito sem muita relutância que digam coisas sobre mim que acabam por determinar quem eu sou daquele momento em diante.

Daí que, dia desses, eu voltei ao que deve ser minha décima quinta tentativa de atingir o peso ideal, o corpo perfeito etc. Precisava comprar um vestido novo, me apaixonei por um, e... não coube em mim. E é claro que eu não ia querer comprar um número uma ou duas vezes maior, pra sair contente da loja. Não, eu queria aquele. Era importante que eu coubesse naquele vestido, por alguma razão que desconheço até hoje. Voltei pra casa triste, deprimida, e, claro, sem o vestido. Dias depois, percebi que queria mudar o meu ~estilo. Sair do básico jeans+malha+rasteirinha. Usar algumas roupas de mocinha crescida. E o dilema do vestido voltou. "Ah, eu queria tanto comprar roupas nesse novo estilo. Mas, poxa, estou perdendo peso e vou perder todas essas roupas muito rápido, não vale a pena. Vou comprar depois." Mas, ora bolas, eu ficava admirando os vestidos bonitos nas vitrines. As calças cáqui, vermelhas.. eu as queria. Aqueles sapatos lustrosos, bonitos, de salto, que combinariam perfeitamente com todas essas peças. E eu estava adiando tudo aquilo, algo que eu queria, por algum motivo idiota. 

Contei a minha história triste a um velho sábio que eu conheço, ao que ele prontamente respondeu: E daí se você perder a calça daqui a seis meses? Você pode apertá-la. E, se não puder, me dê pelo menos uma razão pra passar seis meses sem usar uma roupa que você quer por um motivo que você mesma desconhece.

Esse velho sábio ainda acha que tudo é Insignificativo..

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se não fosse

É você que tem